• Kau Bonnett

Sobre todas as coisas


Assim como todas as coisas, animais, palavras, gestos, assim como para tudo há um significado, para mim não foi diferente. Ela me observava, me estudava de longe e atribuía a mim o significado que bem entendesse. A parte boa dela é que ela não se preocupava em escrever de menos, nem se limitava a escrever uma vez só. Ela me traduzia, me lia, me absorvia e assim vomitava instantemente as palavras que ela bem entendesse. Tinha vezes que ela parecia alguns escritores americanos, que nada vivem. Sozinhos, intensamente buscam sentir.  Ela era de longe incrivelmente sã e de perto, imprevisível. Seu espírito efêmero me intrigava e eu estagnava minha alma ali, ao lado dela, tentando decifrar aqueles sinais.  Sempre ela vida, presente todos os dias. Tirando o melhor olhar de mim, a melhor perspectiva, o mais maduro desabrochar. Ela, incomparavelmente vida, me fazendo florescer em poesia.  Ela e eu, sempre eu e ela.


Sobre todas as coisas, ela sente. Sobre tudo, ela escreve.


Com Gratidão,

Kau Bonnett.

"Vá fundo dentro de si mesmo, pois há uma fonte de benevolência preparada para fluir se você continuar."

- Marco Aurélio