Sobre os recomeços

 

    Essa já deve ser a décima vez que eu começo escrever sobre ela. Todo começo de texto parece clichê e na minha mente, um papel só não será o suficiente. Todas as frases parecem poucas e a verdade é que os nossos momentos até agora, foram poucos. O muito está na intensidade em que eu a sinto, na intensidade do ser que eu sou ao contempla-la. Somos natural sem querer ser. A minha mente viaja e eu assisto sem abrir os olhos, ela caminhando na minha direção. Vejo-a encostar a cabeça no meu ombro e entre meio aos corpos dançantes, ela se encontra em mim no primeiro encontro. Sinto as minhas mãos aquecerem lembrando o momento em que eu, ausente de mim, fiz-me presente para estar no momento. Ela olhou-me nos olhos e entre as luzes artificiais e o escuro, eu vi o sol brilhar naquele olhar. 

Eu desejei que ela não me esquecesse. 

Ela lembrou-se de mim e eu fiz questão de revive-la todos os seguintes dias. 

Agora eu escrevo, mas eu não consigo ordenar uma letra se quer. Faz tanto sentindo dentro de mim e nenhum sentido quando eu tento expor. 

É bonito, é leve, é novamente e novo, um sentimento bom.


Sobre os recomeços, eu continuo.


Com gratidão,

Kau Bonnett.

"Vá fundo dentro de si mesmo, pois há uma fonte de benevolência preparada para fluir se você continuar."

- Marco Aurélio