• Kau Bonnett

Sigo ininterrupta

Atualizado: Mar 22


Hoje faz frio por aqui, mas não me preocupo. Estou deitada no chão da sala e essas linhas ocupam tudo o que eu sou agora.

Escrevo rapidamente para que não haja questionamento, pois, se houver, a resposta imediatamente será você.

Tem uma janela batendo com o vento e um cachorro latindo alto na rua, me desconcentro. Essa distração tenta armar uma fuga para que eu não pense em você, mas no bar da frente toca “Sentimental” do Los Hermanos e a janela ainda está aberta, maldito vento conseguiu trazer você em forma de melódicas lembranças. Eu não te evito, queria estar aí agora. E no momento em que a distração consciente te tirou de mim, eu insisto em te encontrar no natural da vida. Ainda e enquanto a vida é só vida, eu sinto-a te trazer como uma música, como uma nuvem em forma de coração, ainda quando ela é só ela - sem querer ser algo para me levar até você - eu insisto em entender a vida como um sinal.

E ao invés de te procurar, eu estou preferindo sentir o amargo da saudade do que receber um silêncio, ou nem mesmo um terço dos cem por centro de palavras que eu te envio.


Agora eu estou quieta e a janela continua aberta, me assisto a cada minuto, desistir de você. Silêncio por silêncio, vou preferindo o desse apartamento vazio e do meu peito frio, que congelou com a tua ausência.

Adeus lhe entrego. Torço para que encontre diariamente a felicidade e que cruze com o amor em cada esquina, pois, a vida só vale ser vivida, se for por e com amor.


Com gratidão,

Kau Bonnett.

"Vá fundo dentro de si mesmo, pois há uma fonte de benevolência preparada para fluir se você continuar."

- Marco Aurélio