Quando eu parar de escrever

Atualizado: 22 de Nov de 2019



     Muitas coisas mudam, acontecem, acrescentam, crescem e evoluem.  Ao lado da felicidade a solidão faz festa, machuca a alma e faz a partida acontecer. Parte de canto, partindo cada parte do corpo até compreender a calma, fazer as pazes com a vida e ser solitude. E dói, é claro que dói. A escuridão se faz tão presente, que só sinto o espaço a minha frente e só, eu me esforço, eu aguento e eu tento. Mas é claro que dói. A raiz é escura e profunda, castiga as mãos fazendo calo e dói o corpo. Nesse momento eu nem sempre tenho o que dizer e quase nunca eu digo algo, mas meu semblante sempre fala por mim. Por fim dói e por começo, ainda bem que dói... Sinal que ainda sinto.


Quando eu parar de escrever, enfim terei chegado ao final da vida. 


Com gratidão,

Kau Bonnett.