Entrega para ela, o que ela esqueceu de levar

Atualizado: Jun 12


Eu gostava de girassóis, mas não porque estava na moda gostar, eu gostava por conta dos significados lindos que eles possuem. Eu gostava de girassóis até ela me dizer que gostava de orquídeas e então hoje, eu tenho quatro orquídeas. 

O meu café da manhã era meio sem graça, até ela chegar e me ensinar que do jeito dela, teria muito mais graça. 

Eu nem lembrava como era andar de mãos dadas, era raro eu entrelaçar os meus dedos com outros. Em nosso primeiro passeio, ela segurou forte a minha mão no meio da rua e eu só consegui sorrir. 

Eu gostava muito de dirigir, gostava de guiar, de deixar uma mão no volante e a outra sobre proteção da pessoa ao lado, mas quando saímos pela primeira vez, ela dirigia o carro e eu era quem protegia. Eu dirigi no máximo três vezes com ela ao meu lado, porque eu sabia que ela gostava de estar no comando. 

Nas minhas playlists era quase impossível encontrar músicas sertanejas, por conta dela, eu não só tenho uma playlist inteira do gênero, como não paro de cantar “Onde nasce o sol”. 


Eu comprava o café que meu dinheiro podia pagar, era um dinheirinho suado que eu havia levantado com o início de um pequeno sonho, mas era o meu dinheiro. Ela trabalhava com esses negócios de café quando nos conhecemos, e então ela começou mandar uns cafés diferentes, daqueles que tem nome estranho e é produzido no quintal... E eu passei a gostar daquele café. 

Era difícil eu conseguir dormir abraçada com alguém. Tomei um susto quando logo na primeira noite, os nossos corpos se encaixaram perfeitamente e permaneceram assim até de manhã. Ela gostava, sentia-se protegida e eu só queria protegê-la, então me adaptei. 

Eu tenho uma pinta embaixo do olho esquerdo, eu nem ligava muito pra isso, mas ela deu nome para a minha pinta e agora eu tenho uma pinta com nome de "cerejinha". 

Eu não lembro de ter escutado O Teatro Mágico na minha adolescência, mas quando eu fiquei sabendo que ela gostava, decorei algumas músicas e também aprendi gostar. A mesma coisa aconteceu com a música Relicário, ela gostava muito e eu lembro de prometer a mim mesma, que um dia eu a pediria em casamento em um bar, com essa música de fundo. 

Eu não acreditava em conexões, até encaixar os meus olhos com os olhos dela. Não acreditava nem naquele provérbio chinês sobre o fio vermelho que conecta as pessoas. Eu falava muito dele, mas não acreditava. Ela foi e voltou da minha vida muitas vezes e finalmente, agora eu acredito nele.


         Agora, é apenas isso que eu consigo lembrar. Eu me adaptei a ela sem perceber. Eu fiz igual criança quando gosta de alguém e quer conquista-lo. Eu fiz igual adolescente quando conhece o primeiro amor. Eu fiz tanto, que hoje penso que eu poderia ter feito mais, mas não me resta mais tempo. Eu queria muito um tempo além de uma semana inteira juntas, mas ela só conseguiu - após essa semana que passamos juntas - estar no máximo 2 dias seguidos comigo e no mínimo, 3 minutos. Eu questionava o porquê de ela ir e ela questionava o porquê de nunca darmos certo, mas eu e você sabemos que para dar certo é preciso a vontade e presença de ambos, e isso era o que ela não tinha. 

Eu não podia dar a ela uma viagem, não podia nem pagar a minha passagem para acompanha-la e até hoje eu penso que esse foi um dos motivos que ela me deixou. Eu não posso dar a ela a segurança, a estabilidade e o luxo. Eu não tenho nada além de planos e de sonhos, eu não tenho nada além do mais puro amor por ela, e o pior é que eu só posso provar com o tremor do meu corpo ao esbarrar no dela, a prova é não conseguir vê-la sem querer abraça-la e virarmos um. 


Eu não sei o que é o amor e eu nem quero defini-lo em palavras, mas eu arrisco dizer que a amo. Só tem uma coisa que eu não consigo entender… se ela gosta de mim também (como diz), por que ela sempre me deixa a sofrer e vai cuidar de outros? Será que ela pensa que eu já estou calejada? Será apenas egoísmo? Ou será pelo gosto de ter o controle de tudo? 


Quando eu finalmente me adaptei a ela, ela mostrou-me não ser adepta a ninguém. 

Com gratidão, 

Kau Bonnett. 

"Vá fundo dentro de si mesmo, pois há uma fonte de benevolência preparada para fluir se você continuar."

- Marco Aurélio

Amastê - 33.650.333/0001-15 - Florianópolis.