Acompanharei o teu crescimento


Hoje o sono demorou para chegar, decidi então escrever para você. 

Me acomodei no quente do edredom, me encaixei no travesseiro e o teu cheiro se fez presente. Não era o teu perfume, era o cheiro de conforto, de afeto, era praticamente e inteiramente você. Revirando a minha coletânea de saudades, senti sem impedir as atitudes passadas me invadirem. As lembranças de alegria, de extrema intensidade, senti você.

Me envolvi no sentimento e tentei. Era para ser apenas algumas palavras para você, mas dessa vez eu não consegui. Acho que escrevi tanto sobre a nossa história, que já não me resta muito. Foram capítulos e mais capítulos de você abrindo a porta, nunca derrubando. Me esgotou o ir e vir constante, então esse pode sim soar como uma despedida, esse pode sim ser o capítulo em que eu finalmente trancarei a porta. De todas as possíveis despedidas que imaginei esta não foi programada, mas será a mais sincera. E de tudo o que eu tentei te escrever, no conforto da minha cama vazia, foi apenas isso que consegui: 

Se amavam tanto que decidiram deixar o amor de lado e seguir com outros, sozinhos, seguir para lados opostos. Se amavam tanto que a distância foi empecilho, o físico foi empecilho, os amores antigos foram empecilhos. Se amavam tanto que deixaram esse amor por ai. Se amavam.

Espero ter somado a tua história. Espero te ensinado algo. Quero que você seja feliz!

Aqui do meu canto, de longe. 


Com Gratidão,

Kau Bonnett.