A doença maior


Eu estive doente várias vezes.  No momento que o sorriso dela chegava, a minha doença chegava no mesmo instante. O carinho dela me deixava com asma. Fazer planos com ela me deixava com palpitações frequentes e intermináveis. Ligar para ela quando ela estava longe, fazia as minhas bochechas doerem.  Teve um dia que eu estive ansiosa e ela veio me cuidar, veio só para me abraçar e dizer que tudo ia ficar bem, nesse dia a minha ansiedade piorou. Os bilhetes dela pela casa, escondidos embaixo do mouse pad, só me deixavam com dores de barriga. Sentir o cheiro dela pela cidade, me causava náuseas. 

Eu fiquei doente algumas vezes e foram as melhores doenças que eu tive. Foram as mais sinceras doenças, as que tiraram tudo de mim, inclusive a minha intensidade, a minha alma e o meu mais sincero amor. Foram as doenças que me deram os mais lindos poemas, textos e alegrias. Sou grata por todas as vezes que estive doente, porque quando estive sã foi onde mais estive doente.  Sempre esperei a cura, obrigado autoridades por dizer que existe, nesse tempo todo pensei que a minha alegria fosse anormal. 

Aos que entenderam a ironia, continuem doentes! Aos que não entenderam, o amor de vocês também está certo, eu também ja amei assim, não é doença amar.


A doença maior é a solidão.



Com gratidão,

Kau Bonnett. 

"Vá fundo dentro de si mesmo, pois há uma fonte de benevolência preparada para fluir se você continuar."

- Marco Aurélio