Kau Bonnett,

Com Gratidão

e com a alma.

TÍNHAMOS UM CELULAR NO LUGAR DE UM CORAÇÃO

  • julho 31, 2019
  • by


   Tínhamos um celular no lugar de um coração. 
Ele filmava e fotografava, fazia o papel de guardar as lembranças. 
Nos dava acesso virtual a amores reais. 
Era possível ele bater lento, mas jamais parar, pois era recarregável. 
Ele não era capaz de sentir, mas era capaz de medir, então, por conta dos números, ele sabia quem tirar ou colocar em nossa vida. 
Tínhamos um celular no lugar de um coração e isso foi implantado, foi cirurgia de rebanho que chegou com um novo ano. Tínhamos... ou melhor, eu tinha. Foi de repente, e foi uma resposta ao momento em que me vi perdida nas fotos e vídeos. Comecei sentir muito, como sentia antes de ter um celular aqui dentro, eu senti, e de dentro para fora foi uma evolução. 
Tirei-o da tomada com as próprias mãos, resetei antes da bateria terminar e quando ela terminou, um buraco no meu peito ela deixou como prova. 

(Texto inspirado na foto e em alguns seres).

Com gratidão,
Kau Bonnett. 


Kauany Bonnett (1996). Nasceu em Santa Catarina e atualmente reside em São Paulo. Começou escrever com 14 anos de idade. É aficionada pelo comportamento humano e pelos ensinamentos da vida. Por isso, transforma os momentos vividos em palavras.

1 comentários:

  1. Armadilha, vazia em forma de coração.
    Bastava clicar, e ali ele ficaria preso, com uma cor vibrante, entretanto inerte e sem pulso.
    Assim, por um longo tempo coletei corações incessantemente.
    Os mantive comigo, os vermelhos corações.
    Então os deixei partir. Aos poucos um a um deixou a armadilha.
    Não tinha mais a necessidade de tê-los mas de senti-los batendo fortes e livres.
    Eu ainda os vejo, hoje não mais na armadilha de corações mas em pequenas frases ditas por eles.

    .- -.-.

    ResponderExcluir