Kau Bonnett,

Com Gratidão

e com a alma.

ESTÁ MAIS DO QUE PERMITIDO IMAGINAR

  • agosto 24, 2018
  • by



   Está permitido passear pelo bairro alheio e olhar as casas que estão à venda, permitido até espionar e imaginar as possíveis reformas que faria. É permitido andar por essa vila e sentir o cheiro de grama recém cortada. A criançada gritando em casa, após chegar da escola. Se quiser andar na calçada encostando a ponta dos dedos nas grades ou plantas das casas, ta liberado. Não pisar nas linhas da calçada e andar descalço sem medo de se machucar - se você não se reprimir - faça agora mesmo. Chutar pedras na rua enquanto ouve atentamente as histórias de quem ama... Faça isso. Se quiser andar no meio da rua, mantenha os ouvidos atentos e ande com cuidado. 
Você está em um bairro que não conhece, então esteja nele agora, sinta-o, agarre-o, deite o seu corpo sobre a grama da praça deste bairro e observe uma dente-de-leão, a flor que este bairro lhe proporcionou. 
Despeça-se, e não esqueça: Está mais do que permitido imaginar.


Assinado: Seu momento.


Com gratidão,
Kau Bonnett. 






Kauany Bonnett (1996). Nasceu em Santa Catarina e atualmente reside em São Paulo. Começou escrever com 14 anos de idade. É aficionada pelo comportamento humano e pelos ensinamentos da vida. Por isso, transforma os momentos vividos em palavras.

6 comentários:

  1. As vezes não é nem sobre criar expectativas, é só sobre sonhar e ter esperança

    ResponderExcluir
  2. Tuas palavras enchem a minha alma de alegria e calmaria, Kau.

    ResponderExcluir
  3. Tão simples e ao mesmo tempo tão grande... Tão você ❤

    ResponderExcluir
  4. Recomendo ler esse texto escutando LBL - Cospe. É incrivel a sensação que tenho.. ❤️ gratidão

    ResponderExcluir
  5. Te encontrei por acaso e retorno por encantamento. Tenho pra mim que as palavras te namoram, se despem para que você as vista com sentido. E você as veste com tanto sentimento que é impossível não sentir essa textura. Esse é um dos textos que mais gosto. E se eu fechar os meus olhos, posso até sentir o cheiro da grama, ouvir o grito das crianças. Belíssimo texto!

    ResponderExcluir