Kau Bonnett,

Com Gratidão

e com a alma.

ENTREGA PRA ELA O QUE ELA ESQUECEU DE LEVAR

  • junho 19, 2018
  • by
   Eu gostava de girassóis, mas não porque estava na moda gostar, eu gostava por conta dos significados lindos que eles possuem. Eu gostava de girassóis até ela me dizer que gostava de orquídeas e então hoje, eu tenho quatro orquídeas. 
O meu café da manhã era meio sem graça, até ela chegar e me ensinar que do jeito dela, teria muito mais graça. 
Eu nem lembrava como era andar de mãos dadas, era raro eu entrelaçar os meus dedos com outros. Em nosso primeiro passeio, ela segurou forte a minha mão no meio da rua e eu só consegui sorrir. 
Eu gostava muito de dirigir, gostava de guiar, de deixar uma mão no volante e a outra sobre proteção da pessoa ao lado, mas quando saímos pela primeira vez, ela dirigia o carro e eu era quem protegia. Eu dirigi no máximo três vezes com ela ao meu lado, porque eu sabia que ela que gostava de estar no comando. 
Nas minhas playlists era quase impossível encontrar músicas sertanejas. Por conta dela, eu não só tenho uma playlist inteira do gênero, como não paro de cantar “Onde nasce o sol”
Eu comprava o café que meu dinheiro podia pagar, era um dinheirinho suado que eu havia levantado com o início de um pequeno sonho, mas era o meu dinheiro. Ela trabalhava com esses negócios de café quando nos conhecemos, e então ela começou mandar uns cafés diferentes, daqueles que tem nome estranho e é produzido no quintal... E eu passei a gostar daquele café. 
Era difícil eu conseguir dormir abraçada com alguém. Tomei um susto quando logo na primeira noite, os nossos corpos se encaixaram perfeitamente e permaneceram assim até de manhã. Ela gostava, sentia-se protegida e eu só queria protegê-la, então me adaptei. 
Eu tenho uma pinta embaixo do olho esquerdo, eu nem ligava muito pra isso, mas ela deu nome para a minha pinta e agora eu tenho uma pinta com nome de cerejinha
Eu não lembro de ter escutado Teatro Mágico na minha adolescência, mas quando eu fiquei sabendo que ela gostava, eu decorei algumas músicas e também aprendi a gostar. A mesma coisa aconteceu com a música Relicário, ela gostava muito, e eu lembro de prometer a mim mesma, que um dia eu a pediria em casamento em um bar, com essa música de fundo. 
Eu não acreditava em conexões, até encaixar os meus olhos com os olhos dela. Não acreditava nem naquele provérbio chinês sobre o fio vermelho que conecta as pessoas. Eu falava muito dele, mas não acreditava. Ela foi e voltou da minha vida muitas vezes e finalmente, agora eu acredito nele.
         Agora, é apenas isso que eu consigo lembrar. Eu me adaptei a ela sem perceber. Eu fiz igual criança quando gosta de alguém e quer conquista-lo. Eu fiz igual adolescente quando conhece o primeiro amor. Eu fiz tanto, que hoje penso que eu poderia ter feito mais, mas não me resta mais tempo. Eu queria muito um tempo além de uma semana inteira juntas, mas ela só conseguiu - após essa semana que passamos juntas - estar no máximo 2 dias seguidos comigo e no mínimo, 3 minutos. Eu questionava o porquê de ela ir e ela questionava o porquê de nunca darmos certo. Mas eu e você sabemos que para dar certo é preciso a vontade e presença de ambos, e isso era o que ela não tinha. 
Eu não podia dar a ela uma viagem, não podia nem pagar a minha passagem para acompanha-la e até hoje eu penso que esse foi um dos motivos que ela me deixou. Eu não posso dar a ela a segurança, a estabilidade e o luxo. Eu não tenho nada além de planos e de sonhos, eu não tenho nada além do mais puro amor por ela, e o pior é que eu só posso provar com o tremor do meu corpo ao esbarrar no dela. A prova é não conseguir vê-la sem querer abraça-la e virarmos um. 
Eu gosto muito dela. Eu não sei o que é o amor e eu nem quero defini-lo em palavras, mas eu arrisco dizer que a amo. Só tem uma coisa que eu não consigo entender… se ela gosta de mim também (como diz), por que ela sempre me deixa a sofrer e vai cuidar de outros? Será que ela pensa que eu já estou calejada? Será apenas egoísmo? Ou será pelo gosto de ter o controle de tudo?
         Antes de qualquer julgamento seu, preciso que saiba que essa história é real e que ela se repetiu até ontem. Amanhã (20/06/18) essa história completaria 3 anos… completaria, porque ela acabou. 
Quando eu finalmente me adaptei a ela, ela me mostrou que não é adepta a ninguém. 

Com gratidão, 
Kau Bonnett. 

Kauany Bonnett (1996). Nasceu em Santa Catarina e atualmente reside em São Paulo. Começou escrever com 14 anos de idade. É aficionada pelo comportamento humano e pelos ensinamentos da vida. Por isso, transforma os momentos vividos em palavras.

9 comentários:

  1. Lembranças do que se foi é sempre bom (quando não há magoas ou rancor)... não há nada de errado em amar alguém, mas se dar conta de que não é recíproco e conseguir seguir em frente, SEM medo, é o que eu mais admiro e gostaria mt de aprender isso ❤️ Kau, gratidones

    ResponderExcluir
  2. ok... eu já li quase todos os seus poemas e mesmo o "controle os teus pensamentos" sendo um dos meus preferidos eu tive que comentar esse. Ele basicamente resumiu toda minha vida amorosa esses meses e tipo, me fez sentir melhor, porque tá tudo bem, vai ficar tudo bem
    "Quando eu finalmente me adaptei a ela, ela me mostrou que não é adepta a ninguém."
    Continue a escrever se isso te faz bem, porque ler seus poemas me faz um bem danado ��

    ResponderExcluir
  3. Lendo eu ri e chorei porque me vi em cada linha.
    Não tive só uma história assim, acho que me acostumei com todas as minhas histórias sendo assim, sempre me adaptando e recebendo bem pouco (pra mim, talvez seja o máximo que podem me oferecer) em troca.
    Foi bom ler isso, talvez seja um sinal confirmando que eu tenho que terminar minha história também, de uma vez.
    Cê é ótima, tem muita gente te mandando amor de volta por saber que você compartilha o que a gente sente.
    <3

    ResponderExcluir
  4. Me perdi lendo e imaginado. Lembranças são boas quando você aprende com elas, mesmo lembranças dolorosas. Admiro seu jeito de ver a vida, da gratidão em si, me perco nas tuas escritas mesmo que não faça nem um sentido pra mim, talvez seja isso que me encanta, o de não fazer sentido,e outra me encanta o fato de você sempre deixar um ar de que tudo vai ficar bem! Desculpa roubar sua frase, mas, com gratidão, por me/nós fazer sentir tão leve com suas palavras.

    ResponderExcluir
  5. É triste e perfeito ao mesmo tempo, E tão maravilhoso você despertar esse sentimentos, mesmo que eu não tenha passado eu sinto essa saudade de algo que nunca tive. Com certeza é muito difícil superar um sentimento tão forte e lindo que de alguma forma não é recíproco mas o Universo tem reservado pra você algo maravilhoso pode ter certeza disso como você diz em um trecho no seu livro "Você Merece alguém que te olhe nos olhos e suspire aliviado e confiante por estar contigo" "Esse alguém que tu merece, te merece também e está por aí no mundo quebrado a cara com muitos, para só então, depois de muito tempo, quem sabe, te encontrar", Vocês é um ser de muita luz e merece muito da vida. Muito obrigada por acrescentar luz na minha vida Gratidão ����

    ResponderExcluir
  6. Esse texto me tocou demais, Kau...
    Tu tem o dom de tocar a alma das pessoas (até das pessoas que não acreditam em alma). De qualquer forma, eu não me importo muito se é alma, coração, mente (ou ambos) que tu toca. O que realmente importa é ter esse privilégio de sentir algo que não se pode explicar (e não estar nem aí se está sendo irracional ou não). Essa coisa de sentir o coração aquecer ao ler os teus textos é a coisa mais simples e pura que alguém desacreditado e calejado poderia ter a sorte e felicidade de sentir. E é muito bom sentir! Então, por favor, não pare de escrever nunca. Eu quero continuar vindo aqui e não encontrar palavras certas para expressar o que eu senti ao ler teus textos e depois pensar que palavras não bastam, viajar em pensamentos, ser grata por isso, guardar esse sentimento na lista de coisas boas e inesperadas e entre tantas outras coisas que só os teus textos são capazes de fazer com uma pessoa.

    Gratidão!

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca, em momento algum da minha vida, tinho lido algo maos real que isso... Tão real que parece que ta falando de mim... Daqui alguns dias completarao 2 anos que ela se foi... E 2 anos que eu não sei o que um unico dia sem derramar uma lágrima de tanta falta, tanta saudade... Minha estrela foi brilhar em outra constelação, pq talvez a minha não era suficiente pra comportar tamanho brilho.... Kau, em lagrimas aqui :'(

    ResponderExcluir
  8. NÃO É PROBLEMATIZANDO! Mas senti uma angustia tão grande ao ler esse texto, não tenho dúvidas de que um dia tenha sido uma história bonita e que houve aprendizado, mas no final só uma pessoa estava totalmente disposta e acabou se perdendo na busca da intensidade de outra, a qual estava preocupada em continuar recebendo, mas nunca se adaptando. Que você tenha conseguido após o dia 20/06/2018 colocar um verdadeiro ponto final e que as lembranças não mais machuquem ou ceguem, que tenha ficado o aprendizado de que amores insaldaveis existem e mesmo tendo sido amor, precisava haver partida, pois não existia reciprocidade nas mais pequenas coisas, era so mais um amor liquido (NÃO QUE EU CONCORDE COMPLETAMENTE COM BAUMAN), e o amor liquido um dia vai escorrer pelas nossas mãos, pois não "obteve" o que precisava para se solidificar. E quando paramos para pensar nós vemos que fizemos e demos de tudo para aquela pessoa, até mudamos nossos gostos e jeitos, nos adaptamos; mas o problema não esta naquilo que não demos e sim naquilo em que ela nunca encontrou em si própria, e vemos que fomos usados (talvez inconsciente) para completar alguém que não conseguia ser completa sozinha, alguém que queria muito, mas tinha tão pouco para dar, e estava esperando ser suprida em tudo, quando o tudo você e nem ninguém poderia dar.

    ResponderExcluir