Kau Bonnett,

Com Gratidão

e com a alma.

EU NÃO SEI O QUE EU QUERO DA VIDA

  • novembro 28, 2017
  • by



Mais uma vez final Dezembro, mais uma vez festa anual de familia, mais uma vez as mesmas frases. Muitas vezes eu não quis encontra-los, muitas vezes eu quis fugir do momento em que todos os meus parentes da minha idade estão se dando bem em um trabalho novo, passaram na federal, estão indo viajar para o exterior. Mais uma vez o meu corpo gelou ao ouvir: “E você, o que está fazendo da vida?” Como dizer, sem ofender, que eles não me entenderiam? Como dizer que não passei no vestibular, aliás, eu nem prestei vestibular. Como explicar que não sei o que eu quero, que só de pensar em faculdade o meu coração aperta. Será difícil falar sem chorar, que não sei o que estou fazendo da vida. 
Queria muito poder contar sobre a confusão que se encontra em mim, já tentei, mas para eles é besteira e falta de ter o que fazer.
Em silêncio eu escuto as histórias, as viagens que eles fizeram no ano e quantas coisas compraram com a grana que receberam. Eu só consigo lembrar do tanto que coisas que doei, que me desfiz e do tão pouco que tenho. Só consigo lembrar do quanto me perdi esse ano, mais uma vez. Sempre ouvindo aquela voz dizendo: “Tem quatro anos que você não sabe o que fazer”. Mas tive conquistas, pequenas e poucas, mas MUITO agradecidas. Sobre o livro que escrevi eles ficaram orgulhosos, mas sobre os textos desabafos que faço, eles não sabem nem metade. Os amores que tive e o único que mantive, impossível de compartilhar. Pois eu sou doida em amar um único ser. 
É sempre a hora mais difícil, sempre os minutos mais frustrantes. E na maioria das vezes o que era para ser um encontro feliz e confortante, me desconecta e me desconforta. Culpa minha eu sei, mas farei como faço em todos os encontros que geram desconforto... Voltarei para mim e mais uma vez vou tentar encontrar “o que fazer da vida”. Espero não terminar novamente em poesia, ou espero muito, apenas viver dela. Espero conseguir não esperar nada e buscar mais.

Mas se ela me der amor, eu sei que já consegui muito. 

Com Gratidão,
Kau Bonnett. 

Kauany Bonnett (1996). Nasceu em Santa Catarina e atualmente reside em São Paulo. Começou escrever com 14 anos de idade. É aficionada pelo comportamento humano e pelos ensinamentos da vida. Por isso, transforma os momentos vividos em palavras.

3 comentários:

  1. Que texto lindo.
    Saiba que me identifico, sinto o mesmo, também tenho passado por isso há anos.
    Há anos sem saber o que dizer sobre as expectativas alheias, enquanto não sei o que fazer exatamente. Só sei da poesia, do amor e da esperança (que às vezes não existe, mas não é assim o tempo todo).
    Sinta-se abraçada.
    Com amor,
    Laura.

    ResponderExcluir
  2. Não te conheço Kau, mas adoro tua maneira leve e doce de relatar tua vida.
    É melhor demorar tentando encontrar o caminho que te faz feliz do que se entregar a infelicidade para satisfazer os outros.

    Adoro teu livro, uma grande conquista tua.
    Com carinho,

    Mari.

    ResponderExcluir
  3. Me vejo tanto em teus texto, que chega ser engraçado! ^.^

    ResponderExcluir